Filtro de procura
Voltar

FCC consegue o maior contrato internacional na história da construção espanhola

01/01/2014

FCC consegue o maior contrato internacional na história da construção espanhola

  • O orçamento global para a construção do metro de Riade supera 16,300 milhões de euros.
  • O grupo FCC lidera o consórcio que irá construir as linhas 4, 5 e 6 do metro na capital Saudita, no montante de 6,07 bilhões de euros.
  • Juntamente com a FCC participam no consórcio os coreanos da Samsung, as francesas Alstom e Setec, a holandesa de Strukton, a Freyssinet da Arábia Saudita e a espanhola Typsa.
  • O Metro de Riade, com 176 quilômetros, será o mais longo do mundo.
  • O período de execução das obras é de 5 anos e serão empregues mais de 15.000 pessoas
FCC consegue o maior contrato internacional na história da construção espanhola

A FCC alcançou um novo marco na história da construção internacional. O grupo de Servicios Ciudadanos está entre os adjudicatários de um dos lotes para a construção do metro em Riade (Arábia Saudita), com um orçamento total estimado acima 16,3 milhões de euros. É o maior contrato internacional na história da construção em que participou como adjudicatária uma empresa espanhola. Em particular, o grupo de Servicios Ciudadanos lidera um consórcio para a construção das linhas 4, 5 e 6 do metro na capital saudita com um valor de 6,07 bilhões de euros.

O consórcio liderado pela FCC é composto também pelos coreanos da Samsung e a francesa Alstom, entre os seus membros principais. O holandês Strukton, a Freyssinet da Arábia Saudita, a espanhola Typsa e os franceses da Setec completam o grupo. O prazo das obras será de 5 anos e sua construção vai empregar mais de 15.000 pessoas.

A autoridade para o desenvolvimento de Riade (ADA, sigla em inglês) adjudicou ao consórcio liderado pela FCC um pacote dos três que teve a concurso para a construção do metro na capital do país árabe, o maior do mundo em projeto, com 176 quilómetros de comprimento. Este terceiro lote consiste de concepção e construção das linhas 4 (laranja), 5 (amarela) e 6 (roxa), que incluem 25 estações, um total de 64,6 km de linhas subterrâneas, 29,8 km de viadutos, 26,6 km de estradas subterrâneas e 8,2 km de estradas de superfície.

Esta adjudicação comprova, segundo Juan Béjar, Vice-Presidente e Diretor da FCC, "a reputação internacional das empresas espanholas de construção e especificamente da FCC, cujas referências têm sido determinantes para o sucesso da oferta". E acrescenta: "O metro de Riade é um projeto que se encaixa na nova estratégia internacional da FCC na sua área de construção, com foco em infraestruturas e países onde melhor valorizamos as capacidades da nossa empresa".

Este projeto das autoridades sauditas figura entre as maiores adjudicações em obras civis da atualidade. O processo começou em julho de 2012, quando 37 consórcios compostos de líderes mundiais no sector da construção, fornecedores de material e sistemas ferroviários se interessaram pelo concurso. Entre os consórcios candidatos apenas quatro se pré-qualificaram: Siemens e Vinci, Bombardier e OHL, Ansaldo e Strabag e FCC.

O consórcio liderado pela FCC empregará na construção das três linhas, três tuneladoras tipo TBM, de quase 10 metros de diâmetro. As composições que funcionarão nestas linhas que terão duas carruagens e irão operar sem condutor serão fornecidas pela Alstom. As estações serão de quatro tipos: elevadas, de superfície, subterrâneas e de intercâmbio para ligação entre as diferentes linhas.

O maior projeto subterrâneo do mundo

As seis linhas que compõem o projeto global do metro na capital saudita terão mais de 176 quilómetros de extensão, o que o torna o maior projeto suburbano atualmente em todo o mundo. A sua construção exigirá 600.000 toneladas de aço (equivalente a 80 vezes o empregue para construir a Torre Eiffel), 4,3 milhões de metros cúbicos de betão (11 vezes o usado no Burj Khalifa, o mais alto arranha-céu do mundo), e mais de 30.000 trabalhadores, dos quais mais de metade corresponde ao lote do consórcio liderado pela FCC.

O novo serviço de transportes públicos é uma oportunidade para transformar a cidade de Riade. A nova infraestrutura de transportes irá reduzir o congestionamento do tráfego, reforçará e impulsionará a economia do Reino da Arábia Saudita e melhorará a qualidade de vida dos cidadãos sauditas.

A cidade de Riade tem atualmente 5,7 milhões de pessoas com uma projeção de 8,3 milhões para 2030. O metro é a solução para os problemas diários de trânsito, com 7,4 milhões de deslocações das quais apenas 2% é em transportes públicos.

FCC no Médio Oriente

Com este acordo, o grupo de Servicios Ciudadanos reforça a sua presença na Arábia Saudita, onde já trabalha há mais de dois anos através da FCC Aqualia na otimização da rede de abastecimento de água em Riade, numa extensão de mais de 6.000 km, onde empregam cerca de 160 pessoas. Este contrato foi o primeiro de gestão de água atribuído a uma empresa espanhola no Médio Oriente. 

Neste mercado, alguns meses mais tarde, à FCC Aqualia foi adjudicado um novo contrato de operação e manutenção do sistema de saneamento e depuração no emirado de Abu Dhabi.

A FCC tem escritórios também no Qatar e Kuwait. Atualmente constrói no Qatar duas passagens pedestres e a fase II das obras de urbanização de Barzan em Al Wajba, a 15 km da capital do Qatar. No Dubai construiu o estádio de Cricket.

Ampla experiência internacional na construção de metropolitanos

A construção das linhas 4,5 e 6 de Riade junta-se à vasta experiência do grupo FCC neste tipo de ferrovias metropolitanas em todo o mundo. No exterior, o grupo tem participado na construção do Metro de Lisboa (troço Alameda-Expo), no prolongamento da linha 2 do Metro de Atenas, incluindo as estações de Peristeri e Anthoupoli, e no metro de Nova Deli, na Índia.

Atualmente constrói a linha 1 do metro do Panamá, com um orçamento superior a 1 bilhão de euros, o metro de Toronto-York Spadina (Tysse) no Canadá, com um total de 304 milhões de euros e a construção da secção 1 da linha 5 do metro de Bucareste (Roménia) orçado em 267 milhões de euros, o metro de Málaga e a linha 9 do metro de Barcelona.

Em Espanha construiu vários troços e estações dos metros de Madrid e de Barcelona.